skip to Main Content

A saúde e a segurança das pessoas são fundamentais
para todas as nossas atividades.

O que a MVV está fazendo e pretende fazer sobre a pandemia de coronavírus (COVID-19)?

Segurança é e sempre será o principal valor para a MVV. Atuando em conformidade com as melhores práticas e orientações de médicos, especialistas e entes públicos, e desde 18/03, a Mineração Vale Verde (MVV) vem adotando uma série de medidas – em adição a todos os protocolos já estabelecidos pelas autoridades governamentais competentes até então – com o intuito de preservar a saúde e proteger a vida de trabalhadores do Projeto Serrote, seus familiares e dos moradores das comunidades próximas ao empreendimento. Além de uma ampla divulgação e comunicação de recomendações de higiene e prevenção do COVID-19 junto a seus públicos interno e externo, as principais iniciativas tomadas pela empresa, em síntese, foram:

  • Redução da presença e circulação de pessoas em ambientes fechados ao mínimo necessário para manter os serviços essenciais à obra.
  • Recomendação de não realizar reuniões presenciais, fazendo uso de ferramentas online para que possam ocorrer remotamente ou, se possível, postergar sua data.
  • Aumento dos procedimentos de higienização de 100% da frota que transporta empregados e terceirizados, antes e depois de seu traslado “de” e “para” o trabalho e suas residências.
  • Ampliação da disponibilidade de produtos de higiene pessoal em todas as instalações da MVV e nos canteiros das terceirizadas – sabonete, álcool gel etc. –, inclusive nas portarias.
  • Intensificação da higienização de ambientes, incluindo mesas, cadeiras, telefones, periféricos de computador (teclados, mouses etc.), vasos sanitários, maçanetas e superfícies.
  • Limitação das viagens ao mínimo estritamente necessário – que passaram a ser autorizadas pela diretoria, e estabelecimento de quarentena quando da chegada de representantes da empresa em seu estado de destino.
  • Uso constante de máscaras de proteção para todos os empregados, MVV e contratadas.
  • Liberação dos trabalhadores que possuem atribuições que possam ser realizadas a distância para trabalharem no regime de home office (liberação para trabalho remoto, em casa) até o dia 30/06, com retorno programado para o dia 01/07 – data que pode ser alterada, conforme necessidade.
  • Cancelamento de todas as reuniões presenciais e eventos de relacionamento que tenham a participação de públicos externos à empresa, como: diálogo social, programa de visitas etc.

Caso não tenha passado a pandemia no início de julho, os empregados que estão em home office (Trabalho remoto), terão que voltar no dia 01/07?

Recomendamos aos empregados, sempre que possível, realizarem suas atribuições fora do Projeto Serrote, de preferência em sua residência, medida adotada desde 18/03. Em função da natureza volátil da pandemia, a MVV não irá precisar a data de retorno. Continuaremos a monitorar as recomendações das autoridades sanitárias para entendermos o melhor momento de retorno das atividades no escritório da companhia. Mesmo após a definição da data de retorno, cada empregado poderá decidir, de acordo com a sua condição pessoal, o melhor momento para o seu regresso ao trabalho presencial.

Para os empregados que continuam trabalhando na empresa, quais medidas serão adotadas?

Entendemos que a informação e o cuidado são as melhores formas de prevenção e, tão importante como se proteger contra a doença é agir sem pânico e sem medo em um momento como esse. Por isso, estão sendo amplamente divulgadas junto aos trabalhadores do Projeto Serrote, seus familiares e aos moradores das comunidades próximas ao empreendimento todas as medidas de higiene pessoal e as orientações de médicos e especialistas em saúde pública visando à prevenção da contaminação pelo COVID-19. Utilizamos nossos veículos de comunicação interna e externa, além de todas as ferramentas de divulgação que temos disponíveis (vídeos, cartazes, folders etc.) para disseminar algumas dessas orientações, que são:

  • Lavar as mãos com sabão e água corrente por 20 segundos ou mais e, na sequência, completar essa higienização com álcool gel, ao chegar de ambientes externos e antes das refeições. Além disso, nunca tocar nos olhos, nariz e boca sem estar com as mãos limpas.
  • Utilizar um lenço de papel ao espirrar ou tossir e o jogar imediatamente no lixo ou, na ausência desse lenço, cobrir o nariz e a boca com o braço dobrado sobre o rosto.
  • Usar máscaras de proteção constantemente.
  • Não compartilhar objetos pessoais, limpar e desinfetar superfícies e objetos tocados com frequência – celular, por exemplo.
  • Manter todos os ambientes abertos, arejados e ventilados.

A empresa irá proibir que empregados de outros estados venham à matriz?

Em 18/03, Paulo Castellari Porchia (PCP), presidente e diretor executivo (CEO) da Appian Brazil, filial brasileira do fundo de investimentos europeu que detém 100% do capital da MVV, recomendou que os empregados da empresa não realizassem reuniões presenciais e fizessem uso de ferramentas online para que elas pudessem ocorrer remotamente ou, em último caso, fossem postergadas. Além disso, PCP anunciou a adoção de restrições mais severas para viagens para empregados que, em última instância, passaram a ter que contar com a aprovação da diretoria para serem realizadas.

Caso algum empregado ou terceirizado seja identificado com a suspeita do COVID-19, que medidas serão tomadas pela MVV?

Todos os empregados e terceirizados das empresas contratadas para atuar na implantação do Projeto Serrote estão recebendo treinamento diário e ampla comunicação para que qualquer caso suspeito seja imediatamente comunicado à área de Saúde da MVV e procure atendimento médico. A empresa, por sua vez, assumiu o compromisso de informar qualquer ocorrência às autoridades de saúde competentes e prestar total assistência ao trabalhador e a seus familiares, desde uma eventual suspeita até a resolução da questão em definitivo. A definição de caso “suspeito” é a originalmente fornecida pelo Ministério da Saúde : febre E pelo menos um dos sinais ou sintomas respiratórios (tosse, dificuldade para respirar, batimento das asas nasais, entre outros) E histórico de viagem para país com transmissão sustentada ou área com transmissão local OU contato próximo (dois metros no mesmo ambiente por um período prolongado já são suficientes) de caso suspeito ou confirmado para COVID-19 nos 14 dias anteriores ao aparecimento dos sinais ou sintomas. Além disso, informações adicionais podem ser obtidas pelo Fale Conosco da MVV: (82) 98189-6016.

No caso de algum empregado ou terceirizado ser identificado com a suspeita do COVID-19, haverá outras medidas tomadas com os outros empregados e terceirizados?

A definição de caso suspeito do Ministério da Saúde abrange o contato próximo com qualquer pessoa que, efetivamente, seja suspeita de ter contraído o COVID-19 ou possua o caso confirmado em laboratório . Assim, do ponto de vista das orientações clínicas a serem adotadas pela MVV, não há distinção entre uma pessoa que tenha sido identificada como potencial suspeita de ter contraído o COVID-19 ou um trabalhador que tenha tido contato próximo (dois metros dentro do mesmo ambiente por um período prolongado) com um caso suspeito. Havendo qualquer ocorrência, esta será prontamente informada pela empresa às autoridades de saúde competentes e a MVV irá prestar total assistência ao trabalhador e seus familiares, desde a eventual suspeita até a resolução da questão em definitivo. Os demais empregados e funcionários das empresas contratadas – não havendo tido nenhum tipo de contato com o caso suspeito – seguirão recebendo treinamento diário e ampla comunicação sobre o ocorrido e as melhores formas de prevenção.

A MVV recebe produtos e cargas diariamente. Quais medidas de segurança serão adotadas para caminhoneiros que vêm de outros estados realizando entregas para o Projeto? Se um deles estiver com a suspeita do COVID-19, a MVV vai assumir a responsabilidade por esse tratamento?

Motoristas a serviço da MVV – bem como fornecedores, representantes comerciais e outros visitantes – que chegarem à MVV estão sendo avaliados do ponto de vista clínico quanto a seu estado de saúde, já na sua chegada à sede da empresa, antes mesmo de terem qualquer interação com um empregado ou trabalhador de uma contratada atuando no Projeto. Além disso, todos os trabalhadores do empreendimento que tenham contato com públicos externos neste sentido terão à sua disposição todos os equipamentos de higiene pessoal e proteção necessários a uma primeira interação com eventuais pessoas de fora, tais como: máscaras de proteção e termômetros com infravermelho, de modo a poder sinalizar a mais remota possibilidade de que um visitante esteja com algum sintoma do COVID-19. Ainda: cada um desses representantes contará com o apoio de um profissional da área de Saúde para abordar o público externo que, por sua vez, contará com treinamento específico sobre o tema e um questionário com perguntas que permitam identificar casos suspeitos. Por fim: estarão disponíveis, em todas as portarias da empresa e em quantidade abundantes, os produtos necessários à higiene das pessoas (sabonete, álcool gel etc.).

As atividades e os projetos sociais e ambientais junto às comunidades próximas ao Projeto Serrote estão suspensas? Qual a previsão de retorno?

Recomendamos aos empregados, sempre que possível, realizarem suas atribuições fora do Projeto Serrote, de preferência em sua residência, medida adotada desde 18/03. Em função da natureza volátil da pandemia, a MVV não irá precisar a data de retorno. Continuaremos a monitorar as recomendações das autoridades sanitárias para entendermos o melhor momento de retorno das atividades no escritório da companhia. Mesmo após a definição da data de retorno, cada empregado poderá decidir, de acordo com a sua condição pessoal, o melhor momento para o seu regresso ao trabalho presencial.

Estão suspensas as reuniões presenciais e todos os eventos de comunicação e relacionamento que tenham a participação de públicos externos à empresa, como o diálogo social e o programa de visitas. Todas as iniciativas adotadas e sua eficácia são avaliadas e é possível que medidas adicionais sejam adotadas com base na evolução da pandemia – conferências por ferramentas online com líderes comunitários, por exemplo. Por ora, ainda é precoce falar no retorno destas atividades, mas pretendemos dar continuidade a elas tão logo haja condições para que todos aqueles com quem nos relacionamos possam participar dessas iniciativas sem que haja qualquer tipo de risco à sua saúde e integridade física e mental – bem como à de nossos empregados. Por ora, todos os nossos esforços estarão voltados à prevenção da contaminação e disseminação do COVID-19 e tão logo tenhamos as datas para o retorno dessas atividades elas serão amplamente divulgadas e anunciadas em nossos veículos de comunicação e na imprensa local.

Se algum morador das 14 comunidades da área de influência direta (AID) do Projeto Serrote – ou seja, próximas ao empreendimento -, for identificado com suspeita do vírus, haverá alguma medida a ser tomada por parte da MVV? Vocês pretendem fazer algo para contribuir com essas localidades?

A MVV reafirma seu compromisso de contribuir com a segurança de seus trabalhadores e dos que vivem nas localidades próximas ao empreendimento e sua parceria junto às autoridades de saúde dos municípios de Arapiraca e Craíbas. Até o final do mês de maio, com o objetivo de “achatar a curva” de transmissão do COVID-19, a MVV já havia entregue mais de 40 toneladas em doações, sendo investido cerca de R$ 180 mil em itens de saúde, higiene e materiais de limpeza, dentro da Política de Doações e Patrocínios da MVV, que norteia a atuação da empresa nesse âmbito, distribuindo em 25.000 itens como máscaras cirúrgicas, termômetros digitais e álcool gel (l), utensílios utilizados contra o vírus, para vários entes públicos como a Polícia Militar e as Secretarias de Saúde de Arapiraca e Craíbas – disponibilizado também um caminhão-pipa com produtos químicos para apoiar a sanitização das ruas. com urgência, vencendo a cada dia os desafios logísticos e a corrida contra o tempo para adquirir estes produtos no mercado, sendo mais de 22 mil pessoas dos dois municípios já foram diretamente beneficiadas pelas doações da MVV.

Haverá alguma paralisação no andamento do Projeto Serrote ou mudança em seu cronograma por conta da pandemia de COVID-19?

Em princípio, nosso cronograma segue sem alterações e a expectativa de início da operação é o segundo semestre de 2021. Assim como qualquer empreendimento, todo investimento de grande porte sempre traz riscos de ter seu cronograma revisto a qualquer momento, por estar sujeito a variáveis externas, como variações no preço do minério ou a demanda do mercado global. Entendemos que a pandemia da COVID-19, por suas consequências negativas expressivas, tenha impactos econômicos bastante significativos no curto prazo, especialmente em setores como turismo, viagens aéreas e outros serviços. Por outro lado, acreditamos que os fundamentos macroeconômicos globais sejam sólidos e, mesmo sendo ainda muito cedo para conhecer todos os desdobramentos desta inusitada conjuntura no longo prazo, análises preliminares apontam que os números da pandemia em países como a China – um dos principais clientes globais do mercado de cobre, aliás – estão se estabilizando chegando a apresentar, inclusive, melhoras. É importante reiterar, no entanto, que, neste momento, todos os nossos esforços estarão focados na saúde e na segurança de todos, com a finalidade de demonstrarmos que podemos, juntos, superar mais este grande desafio.

Haverá alguma paralisação na contratação de novos empregados ou de funcionários nas empresas contratadas para a implantação do Projeto Serrote?

Não havendo alterações no cronograma que foi aprovado para o empreendimento, as contratações previstas seguirão, com alguns ajustes devido ao cenário atual. No entanto, em linha com o valor que preconizamos, todos os processos seletivos irão privilegiar a saúde e segurança de nossos trabalhadores – entrevistas para oportunidades em aberto, por exemplo, serão realizadas preferencialmente por telefone ou vídeo, sendo conduzidas com o apoio dos profissionais da área de Recursos Humanos.

A MVV pretende realizar férias coletivas ou demitir empregados por conta da pandemia?

Não vislumbramos essa condição, considerada a situação de momento (junho/2020), com número planejado de 1.200 trabalhadores, foi alcançado, chegando 1.400 cargos. Cumpre mencionar que um de nossos principais pressupostos é a confiança que temos em nossas equipes e nas empresas contratadas para que os times funcionem da melhor forma possível e que as metas de implantação do Projeto Serrote sejam alcançadas em um cenário totalmente novo e atípico, com muitas das equipes atuando de forma remota e com a necessidade de colocarmos a saúde e a segurança de todos em um patamar ainda maior do que sempre tivemos até então.

O fato de a MVV contratar pessoas de fora não faz com que a empresa ajude a propagar o vírus COVID-19 em Arapiraca e Craíbas?

Não. A MVV encerrou junho de 2020 com 66% da mão de obra local (Agreste), sendo 73% dos trabalhadores provenientes de Alagoas. Entre os que atuavam diretamente na construção da obra, 69% eram de Arapiraca ou Craíbas. A empresa vem adotando medidas severas com o objetivo de prevenir a disseminação do COVID-19 junto a seus públicos interno e externo, como a recomendação de que reuniões presenciais não sejam realizadas e a inclusão de restrições severas nas regras de viagens para empregados, incluindo exigência de quarentena para viajantes, antes de retornar suas atividades na empresa. Além disso, o percentual de empregados vindos de outros estados já representa menos de um quarto do total de pessoas contratadas pelo Projeto. Como parte de sua política de Pessoas, a empresa segue firme em busca de um de seus principais desafios: priorizar a contratação de mão-de-obra local, abrindo oportunidades, contribuindo para o desenvolvimento do Agreste Alagoano e inserindo a região no mapa da mineração sustentável no Brasil. Na eventualidade de ter que contar com trabalhadores de outras localidades, os recém-chegados estarão sujeitos às rigorosas medidas de saúde e segurança estabelecidas para todos, como: quarentena, exames admissionais, uso constante de máscaras de proteção, aferição de seu estado clínico antes do início de suas atividades, entre outras. Havendo qualquer caso suspeito, o procedimento será o mesmo a ser tomado no caso de qualquer trabalhador da MVV ou das contratadas do Projeto: o caso será imediatamente comunicado à área de Saúde da MVV que, por sua vez, irá informar qualquer ocorrência às autoridades de saúde competentes, encaminhar o trabalhador para atendimento médico imediato e prestar total assistência a ele e a seus familiares, desde uma eventual suspeita até a resolução da questão em definitivo.

Como será o processo de integração / treinamento de novos empregados e funcionários que forem admitidos pela MVV ou nas empresas contratadas, com a recomendação de não se realizar reuniões presenciais?

Em atenção ao artigo 16 da medida provisória 927, publicada em 22/03/2020 pela Presidência da República, e ratificado pelo DECRETO Nº 69.935, DE 31 DE MAIO DE 2020, que adia, pelo prazo de noventa dias, “a obrigatoriedade de realização de treinamentos periódicos e eventuais dos atuais empregados, previstos em normas regulamentadoras de segurança e saúde do trabalho”, podendo os mesmos serem realizados “na modalidade de ensino à distância”, a MVV está avaliando a possibilidade de que alguns conteúdos da integração de novos empregados e terceirizados sejam oferecidos em formatos alternativos, como palestras gravadas ou realizadas por videoconferência, com instrutores interagindo com os treinandos à distância, em tempo real. No entanto, a empresa entende que uma parte considerável desta formação inicial, além de cumprir uma obrigação legal, atendendo a requisitos e normas da legislação trabalhista, seja essencial à segurança dos trabalhadores, algo do que a MVV não abre mão. Por esse motivo, embora a empresa tenha, desde 27/03/2020, passado a aceitar que profissionais em funções administrativas pudessem ser contratados provisoriamente sem a realização de treinamentos admissionais, devendo realizá-los no prazo estipulado pela medida presidencial, em caráter de exceção, a contratação de trabalhadores que atuam diretamente no Projeto, cujas atividades estejam relacionadas à obra ou à operação do empreendimento, segue com a inclusão compulsória dos treinamentos admissionais em sua agenda de integração, conforme estabelecido pela legislação trabalhista. Vale lembrar, no entanto, que a ação de treinamento tem ocorrido com público reduzido e, principalmente, que todos os trabalhadores que chegam de fora do Estado (viajantes) passam, de acordo com o protocolo interno adotado pela empresa por cautela, por uma “quarentena” domiciliar de sete (7) dias de antes do início das atividades no site – inclusive da própria atividade de integração.

Eu ouvi falar que a empresa está dando atendimento clínico de graça? Isso é verdade?

Em parceria com as prefeituras de Arapiraca e Craíbas, a MVV disponibilizou o “Eu Saúde 24 horas”: um serviço de atendimento clínico remoto para que os moradores desses municípios possam tirar dúvidas e receber orientações de profissionais de saúde sobre o novo coronavírus (COVID-19). Desde o começo da pandemia, a MVV tem seguido as orientações de médicos, especialistas, entes públicos e da Organização Mundial de Saúde (OMS) no combate a proliferação do COVID-19. Com o “Eu Saúde 24 horas”, onde profissionais de saúde capacitados tiram dúvidas e prestam orientações aos cidadãos após uma triagem eletrônica, além de orientá-los a ir a uma unidade de saúde de acordo com os sintomas relatados, a MVV traz mais uma medida para contribuir na prevenção da contaminação no Estado. Para acessar o aplicativo, basta digitar no celular, tablet ou computador o endereço eletrônico https://l.ead.me/bbTpfm , enviar a mensagem “Quero usar meu EuSaúde corona24horas Appian” para o telefone (031) 99674-7263 ou simplesmente direcionar a câmara do seu celular ou tablet para o QR Code abaixo e seguir as instruções.

Como eu fico sabendo o que a MVV está fazendo em relação ao COVID-19?

Além dos veículos de comunicação interna e externa, a MVV utiliza todas as ferramentas de divulgação que possui à disposição (vídeos, cartazes, folders etc.) para disseminar informações de prevenção à doença. No entanto, a gravidade do assunto e a necessidade de dar maior visibilidade às iniciativas que vêm sendo adotadas levou a empresa a lançar um hotsite com informações específicas sobre o assunto: “MVV e você contra o COVID-19”. De forma rápida e objetiva, a página traz as principais ações da MVV e das autoridades sanitárias de Arapiraca e Craíbas no combate ao COVID-19, além de dicas à população desses municípios sobre higiene pessoal, limpeza de locais, produtividade e segurança para se trabalhar em casa (home office), entre outras. Para acessar, basta digitar no celular, tablet ou no computador o endereço https://vale-verdecovid19.com/.

Se a pandemia durar três meses ou mais, o que vai acontecer com os trabalhadores do Projeto?

A continuidade do Projeto requer o atendimento da MVV a todos os protocolos já estabelecidos pelas autoridades governamentais competentes e pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Mas, em adição a isso, a empresa não poupará esforços e continuará empenhada em tomar todas as medidas necessárias à preservação da saúde e proteção da vida dos trabalhadores do Projeto Serrote, seus familiares e moradores das comunidades próximas ao empreendimento. Em março, por exemplo, a MVV enviou um comunicado a todos os empregados determinando a dispensa do comparecimento ao local de trabalho dos trabalhadores cujas funções pudessem ser realizadas à distância, assegurando sua remuneração. E novas iniciativas seguirão sendo avaliadas em conformidade com as melhores práticas e orientações de médicos e especialistas no tema, em atendimento à Portaria 135/2020, publicada em 28/03/2020 pelo Ministério das Minas e Energia, que reconheceu como essenciais os insumos minerais necessários à cadeia produtiva, no contexto da contenção do COVID-19.

Back To Top